Skip to content

PSICOSSOMÁTICA HOLÍSTICA – JOYCE DAMY MOBLEY CRT 42510

26/03/2010

PSICOSSOMÁTICA HOLÍSTICA

PSICOSSOMÁTICA HOLÍSTICA- IMAGEM IDEALIZADA EM 1998 POR JOYCE MOBLEY

SIMBOLIZA O TERNÁRIO VIDA-CORPO-MENTE

UNIÃO ENTRE A MEDICINA E PSICOLGIA

ATRAVÉS DA PSICOSSOMÁTICA

“Se reunirmos muitas pessoas e as ensinarmos a viver, algo de maravilhoso acontece: Muitas de suas doenças desaparecem”.” (Dr. Siegel – Univ. Yeal)

A Psicossomática clínica é um ponto de união entre diferentes profissionais, das diferentes áreas da saúde, diante de um mesmo propósito: O indivíduo sadio. Nasce da necessidade de uma abordagem holística, integradora de um homem respeitado em sua inseparabilidade psíquica e somática, não apartada do social e da natureza.

Segundo a organização mundial de saúde: “Saúde é o equilíbrio físico, mental e social”. Até pouco tempo saúde era considerada uma preocupação física, do corpo e não da mente. Hoje mais e mais se fala sobre a conexão vida, corpo e mente. Saúde é um aspecto integral da vida das pessoas, e não algo para começarmos a pensar depois de adoecermos.

É certo que a doença exige grande atenção quando surge em nossas vidas, assim como a depressão e o desespero que a acompanham, mas não podemos ter uma visão estreita deixando que a doença assuma o controle de nossas vidas. Precisamos viver bem no corpo e na mente. Precisamos curar nossas vidas, o subproduto e conseqüência, se refletem em nosso corpo. Há quinze anos dedico-me à Psicossomática e durante todos estes anos, a idéia de trabalhar o saudável do cliente, transformando-o em verdadeiro agente de sua saúde, vem se comprovando como indispensável para o processo da cura.

Fui procurada por um senhor, cuja esposa negava-se a repetir o tratamento . Pedi para vê-la pessoalmente e passadas as primeiras resistências perguntou-me, em tom de afirmação, se iria morrer; disse-lhe que isto era certo… Só não poderia lhe afirmar se isto ocorreria antes ou depois de minha própria morte. Abordamos a questão da quimioterapia e do quão difícil era suportar os seus efeitos colaterais, razão pela qual negava-se a fazer o tratamento. Receava não poder aproveitar o pouco tempo que tinha. Sugeri-lhe que tivesse uma conversa, franca, com seu médico para que pudesse melhor avaliar essa questão. Foi-lhe dito que se não fizesse o tratamento suas, poucas, chances seriam reduzidas a nenhuma.  Começamos a trabalhar no sentido de transformar a em sua cúmplice quimioterapia e melhor amiga. Desenvolvemos uma série de exercícios de auto sugestão, que ela deveria praticar antes e durante a aplicação da mesma. Passou por todo tratamento sem os tão temíveis efeitos colaterais e viveu, com dignidade, por mais tempo do que o previsto.

Durante os anos em que trabalho com pessoas que sofrem de doenças crônicas e/ou auto-imunes, tenho encontrado, por muitas vezes, dificuldades de contato e comunicação com a grande parte dos médicos de meus clientes. É uma grande lástima que profissionais da área de saúde fiquem se digladiando e disputando um paciente perdendo-se de sua meta: o indivíduo que os procura confiando-lhes a vida.

Segundo a definição retirada de um dicionário, indivíduo significa membro ou ser que constitui um todo distinto em relação à espécie. É preciso perceber-se como indivíduo para poder buscar a saúde.

De paciente a membro da equipe de saúde.

Paciente: Virtude que consiste em suportar resignadamente males físicos ou morais; manso; indivíduo que padece

Padecer: Ser atormentado por; suportar; padecer dores; maus tratos; sofrer; indivíduo doente.

Membro: Indivíduo de uma colônia ou sociedade; pessoa que faz parte de uma organização.

Equipe: Grupo de indivíduos que tomam parte juntos numa tarefa comum espírito de solidariedade que anima os membros de um grupo.

Saúde: Estado do que é são; estado do indivíduo em que há exercício regular das funções orgânicas; vigor; em homenagem a alguém; saudação.

Se deitarmos um olhar “de pacientes” sobre os nossos clientes e/ou, se permitirmos que eles deitem este olhar, sobre si mesmos, estaremos bloqueando uma importante passagem para a cura: A participação ativa e responsável sobre suas escolhas e responsabilidades por suas vidas.

“Não existem remédios: o que cura é o contágio com o saudável” (Novalis – séc. XVIII )

* Fazer ver, ao cliente, que ele é um indivíduo e não um paciente.

* Encontrar o saudável que existe em qualquer indivíduo que esteja doente e trazê-lo para trabalhar junto à equipe de saúde.

* Mostrar ao cliente, que ele é co-responsável no trabalho de encontrar os melhores métodos para sua recuperação e/ou manutenção de seu estado de saúde.

* Descobrir e “contagiar” o cliente com o que existe de saudável nele. Precisamos nos conscientizar de que o cliente não é nosso, ele é dele mesmo. Vem nos procurar para ajudá-los e não para disputá-los. Muitas vezes as pessoas adoecem por haverem se esquecido de quem são, de que suas vidas lhes pertencem, de que sua infelicidade tem um preço e esse preço pode lhes custar a saúde.

Autoconhecimento é imprescindível para o desenvolvimento de um bom trabalho em Psicossomática. Um cliente cirurgião fez um relato de uma experiência, por ele, vivida durante uma cirurgia de ulcera, que ilustra lindamente a união da psicologia e medicina:

– Eu mal terminava a sutura em um ponto e o rapaz começava a sangrar em outro. Pensei que não conseguiria… Senti o desespero crescendo dentro de mim… Quando me percebi estava gritando: Por que você não quer viver? Continuei a cirurgia pedindo ao rapaz que vivesse, que não desistisse… Acho que ele me ouviu…

Diante deste relato recordei-me da primeira vez que o atendi e percebi o quanto havia crescido! Finalmente um grande cirurgião tornava-se, ainda maior, operando, também, através do psiquismo de seu “cliente anestesiado”.

A cura não se conquista apenas com técnicas e recursos médicos: ela é, antes de tudo, um trabalho do espírito. Negligenciar o elo vida, corpo e mente pela Medicina tecnológica ou pelo radicalismo da psicologia tradicional, é uma fugaz aberração diante de toda a história da cura.

A-hammm.

Joyce Mobley

Anúncios
2 Comentários leave one →
  1. Leticia permalink
    27/03/2010 12:55 pm

    A cura não se conquista apenas com técnicas e recursos médicos: ela é, antes de tudo, um trabalho do espírito.

    Grande verdade

    • 12/06/2010 12:40 pm

      A cura é antes de tudo um trabalho do espírito aliado aos muitos e tantos recursos médicos. De uma coisa estou certa: Há que se curar o espírito para que ele possa exercer o seu papel junto a todos que têm o saber científico: um sem o outro seria como duas pernas que resolvem ter vontade própria, porém estão atadas ao mesmo corpo.
      Imagine se a perna direita resolve caminhar para a direita, e a perna esquerda resolve caminhar para a esquerda… Não seria possível caminhar, seria uma disputa em que só há Beijossssssssssssssss

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: